quinta-feira, 23 de agosto de 2018

2 Meses Após o Derramamento de Óleo No Rio São Paulinho, em Candeias...

 Nesse mês de Agosto, exatamente no dia 08, completa-se dois meses que um desastre ambiental mudou a rotina dos pescadores e marisqueiros que exploram o rio São Paulo, em Candeias. Uma linha de produção que fazia a transferência de água oleosa entre a estação Pedra Branca e o Parque São Paulo rompeu-se, numa área de pesca conhecida como Balsa, em Pitinga, por onde passa o rio, onde causou danos à flora, deixando centenas de pescadores da região de Candeias sem a pratica das atividades pesqueiras. No dia 10/06/2018, dois dias após o fato, a Petrobras informou que o vazamento ocorreu de um metro cúbico de água oleosa e, que imediatamente a companhia interrompeu a produção da linha e iniciou-se a limpeza da área.  As fotografias mostram como ainda se encontra o local mesmo após dois meses que aconteceu o desastre ambiental. Na época, a prefeitura de Candeias informou que multou a Petrobras em R$ 5 milhões porque o vazamento de óleo bruto constatado em um duto da empresa no município acarretou na contaminação do Rio São Paulo.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Novo Terminal da Braskem - Moradores de Candeias Voltam a Reclamar de Projeto Que Ameaça o Meio Ambiente

Moradores da sede da cidade e da localidade conhecida como "Prainha", em Candeias, denunciam que a Braskem, voltou a assediar a prefeitura de Candeias e a Câmara de Vereadores com o intuito de mais uma vez alterar a legislação ambiental que preserva o balneário. Não é a primeira vez que a Braskem, empresa do Grupo Odebrecht, tenta em vão implantar um terminal na região, mesmo após a sucessão de escândalos que colocou o grupo empresarial no centro dos noticiários jurídicos e policiais.
Derrotada em ações judiciais na esfera estadual, a Braskem, através do governo do estado, tenta no Supremo Tribunal Federal (STF) derrubar uma lei municipal de proteção da área. A ação, que tem como autor o governo da Bahia, já sob o comando de Rui Costa (PT), foi apresentada ao STF em setembro de 2016. O governador pede que o Supremo considere inconstitucional parte da lei de 2015 de Candeias. A norma impede a implantação de um terminal da Braskem no balneário também conhecido como Prainha da Boca do Rio.
 A Braskem já tentou anteriormente envolver o prefeito Dr. Pitágoras na revogação da norma legal, tendo sido rechaçada pelo mandatário. Fonte: Bahia Notícias 

Saiba Mais
A Prainha da Boca do Rio, conhecida por muitos como "Prainha de Aratu". é uma área de proteção ambiental e já incorporada ao contexto cultural e de lazer da região de Candeias, e a ação do Governador Rui Costa em conceder o privilégio à empresa para construir um novo terminal na praia; Há suspeitas de que o projeto nada mais é de que um acerto do Governador com a subsidiária da Odebrecht (Braskem), como diz a fonte do site Poder360 , a prática do projeto também tenta seduzir o prefeito e vereadores da cidade de Candeias, com o intuito de alterar o  PDDU (Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano) que considera a área da Prainha como área de preservação ambiental e, com a mudança do PDDU, a empresa estaria livre para instalar o novo terminal em área. Anos atrás, o governador Rui Costa (PT), tentou com uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) derrubar a lei do município de Candeias que atrapalha os planos da Braskem (braço petroquímico da Odebrecht) de erguer um porto privado nesta área da prainha que é considerada como área de proteção ambiental.
Nota-se que a mudança do PDDU poderia ser comparada a uma organização criminosa sendo que, há provas suficientes de que o governador recebeu dinheiro da subsidiária da Odebrecht com o objetivo de lutar com todas as forças para conceder o espaço da Prainha para a Braskem construir o Terminal.
Em 17 de Junho de 2016, a votação do projeto enviado pelo Poder Executivo municipal que alterava o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano foi suspensa pela Câmara de Vereadores de Candeias. Na época, o presidente da Câmara, vereador Gil Soares, confirmou a informação ao deputado estadual Marcell Moraes (PV), que buscava informações sobre o andamento do projeto.
Marcell achou "sensata" a decisão dos vereadores e voltou a criticar o posicionamento do prefeito de Candeias. "Estou satisfeito com a decisão tomada pela Câmara de Vereadores e impressionado com a falta de bom senso do prefeito da cidade, sargento Francisco. Querer mudar o PDDU, trazendo prejuízos para o meio ambiente, não pode ser considerada uma decisão coerente", afirmou.
A mudança no PDDU proposta pelo prefeito permite a ampliação da área industrial  para a Prainha, localizada na Baía de Todos-os-Santos, e que hoje é considerada uma área de proteção ambiental (APA). O deputado afirmou que apresentará denúncia ao Ministério Público contra  o prefeito por conta disso.
"Eu quero saber o que ele vai ganhar em troca para liberar a construção desse porto na Prainha? Pelo que consta, existe outra área onde é possível a construção do equipamento sem afetar o balneário, mas ele insiste em acabar com a proteção ambiental da área já incorporada ao contexto cultural e de lazer da região", questionou o parlamentar, que há algum tempo vem denunciando essa tentativa.
Num vídeo postado no youtube, um vazamento que ocorreu com o rompimento de uma das válvulas da tubulação que transporta Nafta, um produto que oferece muito risco à saúde humana, sendo que nesse dia, alguns dos moradores foram hospitalizados ao se sentirem mal com o odor exalado, vocês irão notar um pouco do perigo que a Braskem oferece aos moradores das regiões próximas, onde o poluição química é a cada dia mais agravante nessa região.