quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Vídeo Gravado em Castro Alves Mostra a Real Situação do Rio Jaguaripe

Essa semana, um internauta gravou um vídeo que repercutiu pelo aplicativo whatsapp; vídeo esse que mostra a situação do rio Jaguaripe; rio que nasce na cidade de Castro Alves, aqui mesmo na Bahia, e que corta várias cidades da região e que desemborca na baía de todos os santos. Os municípios incluídos na Bacia Hidrográfica do Jaguaripe são: Muniz Ferreira e Nazaré. O uso que se faz do manancial das águas do Rio Jaguaripe são para abastecimento urbano e rural, irrigação, lazer, turismo e navegação na faixa litorânea, no entanto, as águas desse manancial encontra-se em situação deplorável, sofrendo a ação de despejos de resíduos químicos e de esgotos urbanos. Em 2017, Um fato atípico chamou a atenção dos moradores de Nazaré, a cerca de 78 quilômetros de Salvador. Uma grande quantidade de azeite de dendê preencheu boa parte do Rio Jaguaripe, que atravessa a cidade. Veja a Matéria.
Parte do litoral brasileiro, incluindo rios e canais de águas, vem sofrendo com a poluição devido à ação antrópica onde, diversos efluentes oriundos de indústrias químicas e residências vem sendo lançados em grande parte dos estuários, provocando a contaminação das água e afetando grande parte da fauna e da flora dos nossos rios e litorais Brasileiros. Medidas cabíveis devem ser tomadas e, a colaboração de todos pode ajudar bastante através de denúncias aos órgãos competentes para facilitar o combate da ação que degrada o meio ambiente e que é provocada pelo homem.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Poluição Atmosférica invade o Município de Candeias Mais Uma Vez

Hoje, por volta das 19:30, moradores dos bairros de Malembá, Areias e Urbis II foram surpreendidos mais uma vez por um tipo de poluição que é frequente na cidade de Candeias desde décadas atrás. O mau cheiro já é bastante conhecido pelos moradores, o mesmo cheiro exalado pela empresa Proquigel, a antiga Metracril, considerada uma das maiores indústrias poluidoras do município, onde, por volta dos anos 1990 e 2000, muitos casos de doenças de respiração foram detectados, contribuindo assim para outros problemas mais graves de saúde. Ainda Não sabemos de onde está partindo o mau cheiro. No bairro de Malembá, duas moradoras que trabalhavam na mesma loja, mãe e filha, foram obrigadas a auto se medicarem devido ao forte cheiro que causou ânsias de vômitos e dores de cabeça deixando-as em um momento bastante desagradável. Não sabemos bem o que a prefeitura, junto com a secretaria de meio ambiente do município, tem feito para buscar soluções para o caso mas, bem sabemos que, até o dia de hoje, nenhuma administração conseguiu solucionar o problema da poluição química no município; apesar de as empresas gerarem uma boa renda ao município, o estrago causado na saúde dos moradores tem sido bem mais degradante e que superaram qualquer valor de arrecadação; Crianças recém-nascidas são as que mais sofrem, onde, nesse caso,  o problema é ainda mais agravante e, moradores do município comentam que as descargas vem acontecendo com frequência, principalmente, em períodos da madrugada. O Caso se torna ainda mais agravante pelo fato de a cidade de Candeias não dispor de uma central de monitoramento do ar, coisa que nenhuma das administrações, até os dias de hoje, fizeram caso de obter o aparelho.
Poucos dias antes de ocorrer essa descarga, numa entrevista na Rádio Vox FM, o secretário de meio ambiente de Candeias, Tony Gleidson, foi questionado sobre a poluição que exalava no município onde, alguns moradores acusam o grupo Unigel de praticar a tal descarga, foi quando o secretário sobre essa central de monitoramento que não existe no município e que iria solicitar ao Prefeito da cidade, Dr. Pitágoras, a inserção do mesmo, pois, com uma central de monitoramento do ar seria possível identificar o causador dessa poluição em Candeias. Segue o áudio com a entrevista.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Ferries correm risco de afundar e contaminar mangue na Baía de Aratu

A baía de Aratu, como sempre, é uma baía vulnerável aos terríveis danos ambientais causados por indústrias petroquímicas e, como se não bastasse, as embarcações Monte Serrat e o Ipuaçu – que já transportaram milhares de passageiros no sistema ferryboat – apodrecem aos olhos de quem passa por ali.
Hoje, Cobertos por ferrugem, com dezenas de buracos no casco e atracados na Marina de Aratu, estão diante dos manguezais que contornam a Baía de Aratu e, duas figuras chamam a atenção. Há 15 anos no local, as embarcações correm o risco de naufragar e, para especialistas, é difícil até mensurar os danos ambientais para o ecossistema da região, caso os dois barcos, que já foram até leiloados pela Agerba, no segundo semestre do ano passado, afundem na Baía. Para quem trabalha diretamente com os ferries, o medo do naufrágio é constante.
Em dezembro, durante uma falta de energia, a bomba que lança a água do mar – que entra pelos inúmeros buracos dos cascos – para fora das embarcações parou de funcionar. Foram 20 horas sem luz. Ou seja: a água entrava e não saía. Se a falta de energia durasse mais quatro horas, segundo fontes ouvidas pela reportagem, os ferries poderiam ter afundado naquele dia.
O Jornal CORREIO entrou no Monte Serrat e no Ipuaçu que foram leiloados no segundo semestre do ano passado pela Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba). Apesar de terem mudado de dono e agora pertencerem a uma empresa privada, a situação não melhorou - aliás, piorou. Dentro dos ferries, há lixo acumulado, cadeiras antigas amontoadas e galões de óleo lubrificante sem proteção.
Ferry Monte Serrat está atracado na marina desde 2004
(Foto: Evandro Veiga/CORREIO)
Navio de 'durepóxi'
Nos últimos anos, o temor foi acalmado não por grandes reformas em estaleiros, mas por um elemento que muita gente tem dentro de casa: a resina epóxi. Foi com ela que os furos no casco dos ferries chegaram a ser cobertos. “Ou seja, com o chamado durepóxi mesmo”, esclarece, ao CORREIO, um dos engenheiros que denunciou a situação das embarcações, mas não quis se identificar. 
Cadeiras e lixo estão acumulados no interior dos navios
(Foto: Evandro Veiga/CORREIO)
O Ipuaçu está em condições melhores, ainda que dominado pela ferrugem. O Monte Serrat, por sua vez, parece mais agredido pelo tempo. No andar onde ficavam os passageiros, o piso já cedeu em alguns pontos. O encarregado Marcelo Timóteo, 61 anos, que foi designado para cuidar dos ferries há 11 anos, chegou a sofrer um acidente, certa vez.

“Fui buscar aquele balde ali, que está onde ficava o banheiro. Quando pisei, o buraco abriu. Tive que me segurar e fiquei pendurado”, conta o encarregado, apontando para um buraco de aproximadamente 40 centímetros de diâmetro no andar acima.

Agora, ele explica, ninguém mais pode subir lá. Mas esse acidente não foi o único. Enquanto levava a equipe do CORREIO até um outro buraco que se abrira no piso onde ficavam os carros, Marcelo viu o chão abrir devido a uma passada mais forte.
No meio do caminho, mais um buraco se formara. Do lado de fora, ele aponta para uma espécie de ‘faixa’ marrom no casco do navio: “Toda essa linha está comprometida”, alerta.
Veja a matéria completa na página do CORREIO

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Lancha afunda entre Paramana e a Ilha de Maré na Baía de Todos os Santos

Uma lancha naufragou na madrugada deste domingo (10), entre Paramana e a Ilha de Maré, na Baía de Todos os Santos.
Segundo informações  do BNews,  começou a entrar água na lancha Target e os ocupantes tentaram retirá-la com baldes, mas a ação não foi suficiente para evitar que a embarcação afundasse.
Contudo, todas as pessoas colocaram colete salva-vidas até a chegada do resgate. Uma embarcação foi enviada pela Capitania dos Portos para ajudar no socorro. Não há registro de feridos.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Associação de Pescadores Sub Lixo Zero Realizará Projeto de Limpeza Submarina em Praia de Cabuçu

Neste domingo temos um encontro marcado com a conscientização e a limpeza. A Secretaria de Turismo e Meio ambiente através da Prefeitura Municipal de Saubara em parceria com a Associação de Pescadores Sub Lixo Zero, realizará neste domingo (10) um projeto de limpeza submarina na praia do Recreio-Cabuçu e de conscientização para despertar a boa educação de manter nossas praias limpas. Curta o verão com responsabilidade,

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Limpurb recolhe 106 toneladas de lixo no Rio Vermelho após Festa de Iemanjá

A Empresa de Limpeza Urbana do Salvador (Limpurb) recolheu 106,04 toneladas de lixo nas ruas do Rio Vermelho, após a Festa de Iemanjá, que acontece no sábado (2). A operação contou com 269 funcionários e ocorreu desde o dia do evento até às 7h de ontem (3).
Para realizar a limpeza, foram utilizados oito compactadores, uma carreta pipa e seis caminhões-pipa, além de 240 mil litros de água e 480 litros de detergente aromatizado.
Na ação, os funcionários presenciaram vendedores recolhendo as flores do mar para serem comercializadas de novo. Fonte: Metro1
Durante todo o ano, campanhas de conscientização ambiental vem sendo realizadas pelas Ongs de proteção ao meio ambiente, porém, alguns credos e pessoas insistem em degradar a natureza descartando de forma perversa o lixo nas ruas e nas praias, causando grandes impactos sobre o oceano.

Um Filhote de Jaguatirica é Atropelado Próximo Ao Cinquenta, em Candeias.

Motorista de Madre de Deus socorre jaguatirica atropelada na BA-522 e leva para clínica; veja o vídeo.
Após encontrar um filhote de jaguatirica atropelado na BA-522, o motorista Janatan silva conhecido como “Tam”, morador de Madre de Deus, informou a reportagem do Madre sem Média, com exclusividade, que pegou o animal que estava desmaiado na rodovia e levou para uma clínica em Candeias.
O acidente aconteceu nesta quarta-feira (6), nas proximidades do Cinquenta, no município de Candeias. No momento do atropelamento, o animal atravessava a rodovia e o motorista não conseguiu desviar dele. O mamífero se recupera bem, e está aos cuidados da Polícia Ambiental.
Matéria divulgada pelo jornal Madre sem média

sábado, 2 de fevereiro de 2019

Grupo de Preservação Amigos da Pesca Sub Realiza Mutirão em Praia de Candeias

O grupo amigos da pesca sub, na direção de Weliton Oliveira, realizou neste sábado (02) um grande mutirão de limpeza na famosa Prainha de Aratu, em Candeias. O evento contou com a colaboração de voluntários de Candeias, ilha de Maré (Salvador) e Simões Filho. O grupo amigos da pesca sub vem realizando diversos eventos de preservação ambiental em várias praias e ilhas da Baía de todos os santos afim de promover um ambiente saudável e sustentável para o uso humano além de conscientizar banhistas que frequentam as praias dessas regiões aos devidos cuidados que todos devem exercer sobre as reservas ambientais e costeiras. Weliton é mergulhador e ambientalista e vem realizando esse trabalho junto com o grupo Pesca Sub; grupo esse que também realiza diversas atividades sub aquáticas coletando e reciclando resíduos coletados do fundo do mar aqui na Baía de todos os santos.
Tanto a Prainha de Aratu, quanto às outras praias da região de Candeias não recebem nenhum tipo de assistência do poder público municipal e, com isso, grupos voluntários de várias partes se reúnem para manter os locais da cidade preservado.